Uso de Tecnologia Educacional em uma Escola Pública Municipal

uma Experiência de Avaliação Formativa Usando o Formulário Google

  • Rosemere Damasio Bard
  • Ana Luisa Mülbert
  • Flavia Lumi Matuzawa

Resumo




Este artigo relata a inserção de tecnologias digitais na educação básica como resultado de um projeto de extensão na modalidade a distância, tendo como campo de aplicação uma escola pública municipal. O projeto configura-se como uma pesquisa-ação cujas etapas perpassam a identificação do contexto local e do problema, e o desenvolvimento, aplicação e avaliação da intervenção. Dados foram coletados por meio da observação participante do especialista e de questionários e entrevistas com os participantes. Como resultado, reflete-se acerca do cenário escolar, os desafios na apropriação da tecnologia por parte dos professores, a potencialidade das ferramentas apresentadas visando a avaliação formativa, entre outros aspectos.


Referências

Camargo, C. C. O. de; Mendes, O. M. (2013) “A avaliação formativa como uma política includente para a educação escolar”. In: Revista Educação e Políticas em Debate, v. 2, n. 2, p. 372–390.
Flubaroo.org. (2016). “Flubaroo Overview”. http://www.flubaroo.com/flubaroo-user- guide. Abril.
Kobus, M. B. W.; Rietveld, P.; Van Ommeren, J. N. (2013) “Ownership versus on- campus use of mobile IT devices by university students”. In: Computers & Education, v. 68, p. 29–41.
Koehler, M. J.; Mishra, P.; Cain, W. (2013) “What is Technological Pedagogical Content Knowledge (TPACK)” In: The Journal of Education, v. 193, n. 3, p. 13–19.
Luckesi, C. (2011) “Avaliação da Aprendizagem escolar: estudos e proposições”. São Paulo, SP: Editora Cortez.
Morán, M.; Masseto, M. T.; Behrens, M. A. (2015) “Novas tecnologias e mediação pedagógica”. Campinas, SP, Papirus.
Munhoz, A. S. (2014) “Tecnologias educacionais”. São Paulo, Saraiva.
New Media Consortium. (2013) “Horizon Report 2013: higher education edition”. Austin, Texas, The New Media Consortium.
NG, W. (2012) “Can we teach digital natives digital literacy?” Computers & Education, v. 59, n. 3, p. 1065–1078.
Nicoleit, E. R.; Giacomazzo, G. F.; Gonçalves, L. L. (2014). “Formação de Professores da Rede Municipal de Educação para o uso de TIC: um relato da experiência de Criciúma/SC. In: Anais do Workshop de Informática na Escola. v. 20, n. 1, p. 615.
Pencinato, G. de S.; Fettermann, J. V.; Oliveira, D. M. A. (2016). “A ferramenta Flubaroo e suas potencialidades para a avaliação de alunos da Educação Básica”. In: Anais do Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia Online. v. 5, n. 1.
Perrenoud, P. (1999). “Avaliação: da excelência à regulação da aprendizagem, entre duas lógicas”. 1a ed. Porto Alegre, Artes médicas.
Roland, L. G. R.; Luz, M. R. M. P.; Salvador D. F. O. (2015) “Conhecimento Tecnológico Pedagógico do Conteúdo no Contexto Lusófono: uma revisão sistemática da literatura” Revista Brasileira de Informática na Educação, v. 23, n. 3, p. 174.
Saccol, A.; Schlemmer, E.; Barbosa, J. (2011) “M-learning e U-learning: novas perspectivas da aprendizagem móvel e ubíqua”. São Paulo, Pearson Prentice Hall.
Thiolent, M. (2003) “Metodologia da pesquisa-ação”. São Paulo, Cortez.
Publicado
2017-08-21
Como Citar
BARD, Rosemere Damasio; MÜLBERT, Ana Luisa; MATUZAWA, Flavia Lumi. Uso de Tecnologia Educacional em uma Escola Pública Municipal. Anais do Simpósio Ibero-Americano de Tecnologias Educacionais, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 226-234, aug. 2017. Disponível em: <https://publicacoes.rexlab.ufsc.br/index.php/sited/article/view/91>. Acesso em: 23 sep. 2017.