Uma Análise de Custo-benefício entre Experimento Remoto e Laboratório Presencial na Programação de Robôs

  • Leonardo Daros Santos
  • Julia Elias Sala
  • Katiane Medeiros da Rosa
  • Rafael Saturno
  • Iuri Sônego Cardoso
  • Adilson Jair Cardoso

Resumo

O estudo e o entusiasmo pela robótica têm crescido nos últimos anos. Entretanto, estudantes e entusiastas possuem restrições de acesso às tecnologias de montagem e programação de robôs devido aos custos de compra de equipamentos desta área serem considerados inacessíveis. Instituições de ensino públicas e privadas podem até promover aulas e oficinas de robótica, porém a disponibilidade destas tecnologias fica restrita a estas ocasiões e instituições. Com a finalidade de solucionar este problema, o presente artigo apresenta uma análise comparativa de custo-benefício entre laboratórios presenciais e laboratórios de experimentação remota, destinados à prática da programação de robôs. Para esta análise, iniciou-se a implementação do experimento remoto RobôRex que tem por objetivo permitir o experimentador programar um robô para cumprir tarefas como: seguir uma linha e desviar de obstáculos. Conclui-se que a abordagem de experimentação remota proposta tem menor custo financeiro para a instituição de ensino, e provê maiores benefícios aos alunos e entusiastas, quando comparada com um laboratório presencial que tem objetivo similar.

Referências

Carlos, L. M. et al (2016). “block.ino: um experimento remoto para ensino de lógica de
programação, robótica e eletroeletrônica básica”. In Anais dos Workshops do V
Congresso Brasileiro de Informática na Educação (CBIE 2016), 2016. DOI:
10.5753/cbie.wcbie.2016.151.
Cross, J. L.; Hamner, E., Bartley, C., and Nourbakhsh, I. (2015). Arts amp; bots:
“Application and outcomes of a secondary school robotics program”. In Frontiers in
Education Conference (FIE), 2015. 32614 2015. IEEE, pages 1–9.
Gimenes, Camila Itikawa. (2011) “Um estudo sobre epistemologia da formação de
professores de Ciências: indícios da constituição de identidades”. 179f. Dissertação
(Mestrado em Educação). Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2011.
Inep. (2016) “Censo Escolar da Educação Básica 2016: Notas Estatísticas”.
notas_estatisticas_censo_escolar_da_educacao_basica_2016.pdf>, Dezembro.
Robocup Brasil. (2017) “Histórico: O nascimento da RoboCup
Brasil”,, Março.
Silva, J. B. (2006). “A utilização da experimentação remota como suporte para
ambientes colaborativos de aprendizagem”. 196f. Tese (Doutorado em Engenharia de
Gestão do Conhecimento da Universidade). Universidade Federal de Santa Catarina.
Florianópolis, 2006.
Silva et al. “Uso de dispositivos móveis para acesso a Experimentos Remotos na
Educação Básica”. VAEP-RITA, v. 1, p. 129-134, 2013.
295
Unesco. (2012) “Activando el aprendizaje móvil en America Latina: Análisis del
potencial de las tecnologías móviles para apoyar a los docentes y mejorar sus
prácticas.” Paris, França.
Publicado
2017-08-21
Como Citar
DAROS SANTOS, Leonardo et al. Uma Análise de Custo-benefício entre Experimento Remoto e Laboratório Presencial na Programação de Robôs. Anais do Simpósio Ibero-Americano de Tecnologias Educacionais, [S.l.], v. 1, p. 287-295, aug. 2017. ISSN 2594-388X. Disponível em: <https://publicacoes.rexlab.ufsc.br/index.php/sited/article/view/97>. Acesso em: 25 nov. 2017.